Tecido Epitelial de Revestimento | Função | Resumo | Características

tecido-epitelial

Denomina-se tecido a todo grupo de células que desempenham funções específicas. Nesse artigo você aprenderá tudo sobre o tecido epitelial de revestimento, sua função e características em um resumo completo. Em seguida, sugerimos uma leitura nos artigos referentes aos outros tipos de tecido:

Função do tecido epitelial de revestimento

O tecido epitelial de revestimento é responsável por revestir externamente o corpo humano. O tecido epitelial tem como função proteger os órgãos e nervos, produzir secreções (no estômago), promover a absorção (no intestino) e garantir a impermeabilização (na bexiga).

Características do tecido epitelial de revestimento

O tecido epitelial de revestimento, ou epitélio, caracteriza-se por apresentar pequena quantidade de substância intercelular. Excetuando o epitélio que forma as glândulas endócrinas, entre suas células não existem vasos sanguíneos. Elas recebem os nutrientes do tecido conjuntivo.

Histologia do tecido epitelial

O tecido epitelial pode derivar-se embrionariamente da ectoderme, da mesoderme ou da endoderme.

O de origem ectodérmica é encontrado na epiderme (camada mais superficial da pele), na parede interna do nariz e da boca, nas glândulas salivares e em glândulas anexas da pele (sudoríparas, sebáceas e mamárias).

O tecido epitelial de origem mesodérmica é encontrado no revestimento interno dos vasos sanguíneos (endotélio), no revestimento interno do sistema urogenital e nas membranas que envolvem órgãos (serosas) como o peritônio, as pleuras e o pericárdio.

O epitélio de origem endodérmica é encontrado no revestimento interno do tubo digestivo e das vias aéreas, no fígado, no pâncreas, na bexiga urinária, na tireoide e paratireoides.

Tipos de epitélios

Nos epitélios são encontradas certas diferenciações como o desmossomos, as interdigitações, as microvilosidades e as invaginações que você já estudou anteriormente. Há dois tipos básicos de epitélios: de revestimento e glandular.

Epitélio de revestimento

As células que formam esses epitélios podem ser achatadas, cúbicas e prismáticas. Quanto ao número de camadas esses epitélios podem ser classificados em:

tipos-de-tecido-epitelial

  • Uniestratificados: Com uma única camada de células. Encontram-se no trato intestinal, nas trompas de Falópio, nos túbulos renais e no endotélio de vasos sanguíneos e linfáticos.
  • Pluriestratificados: Com várias camadas de células de forma semelhante. Encontram-se na epiderme e no esôfago.
  • Pseudoestratificados: Com uma única camada de células de alturas diferentes, dando a falsa impressão de se tratar de duas camadas de células. No tecido epitelial de revestimento, são encontrados nas fossas nasais, nos brônquios, na traqueia e nos órgãos reprodutores masculinos.
  • De transição: Com várias camadas de células cuja forma varia conforme o funcionamento do órgão. São encontrados na bexiga urinária, nos ureteres e parte da uretra.

Epitélios glandulares

Os epitélios glandulares são formadores das glândulas. São especializados para elaborar secreções. Suas células apresentam o complexo de Golgi bem desenvolvido. As glândulas podem ser classificadas de várias maneiras.

Quanto à forma da parte secretora do tecido epitelial de revestimento, as glândulas podem ser tubulosas ou acinosas, quando têm a forma de um tubo ou quando terminam em formações saculiformes (ou ácinos), respectivamente.

Função dos epitélio glandulares

Os epitélios glandulares são formadores das glândulas. São especializados para elaborar secreções. Suas células apresentam o complexo de Golgi bem desenvolvido. As glândulas podem ser classificadas de várias maneiras.

Quanto à forma da parte secretora, as glândulas presentes no tecido epitelial de revestimento podem ser tubulosas ou acinosas, quando têm a forma de um tubo ou quando terminam em formações saculiformes (ou ácinos), respectivamente.

Tipos de glândulas do tecido epitelial de revestimento

De acordo com o destino do produto de secreção produzida pelo tecido epitelial de revestimento, as glândulas podem ser:

  • Exócrinas (ou de secreção externa);
  • Endócrinas (ou de secreção interna);
  • Anfícrinas (ou de secreção mista).

Características das glândulas epiteliais

As glândulas exócrinas, através de um canal, lançam seus produtos em cavidades ou na superfície do corpo.Como exemplos citam-se as glândulas sudoríparas, as sebáceas, as lacrimais, as salivares, etc.

As glândulas endócrinas lançam seus produtos diretamente na corrente sanguínea, não possuindo canal para eliminar as secreções, que são chamadas hormônios. Como exemplos citam-se a hipófise, a tireoide, as adrenais, etc.

As glândulas anfícrinas possuem uma parte funcionando como glândula de secreção externa e outra, como glândula de secreção interna. Um exemplo desse tipo de glândula é o pâncreas. Como glândula exócrina, secreta o suco pancreático, e como glândula endócrina secreta os hormônios insulina e glucagon, lançados diretamente no sangue.

Produção de secreção no tecido epitelial de revestimento

Quanto à maneira como a secreção é feita no tecido epitelial, as glândulas classificam-se em holócrinas, merócrinas e holomerócrinas (ou apócrinas). Holócrinas são glândulas nas quais a secreção se acumula em grande quantidade. Em seguida, por morte do citoplasma e do núcleo, as células morrem.

O produto final da secreção produzida no tecido epitelial de revestimento nada mais é do que uma mistura desse material desintegrado e da elaboração celular. As glândulas sebáceas constituem um bom exemplo desse tipo de glândula. Logo após a morte das células, novas células são formadas.

  • Merócrinas são glândulas que eliminam para o exterior somente as substâncias elaboradas. Como exemplos citam-se as glândulas sudoríparas e as lacrimais.
  • Holomerócrinas são glândulas nas quais a porção onde se situa o produto da secreção é eliminada das células. Como exemplo desse tipo proveniente de tecido epitelial de revestimento citam-se as glândulas mamárias.

Tecido epitelial de revestimento – Resumo

Continue aprendendo sobre CIÊNCIAS RESUMOS

Gostou desse artigo sobre o tecido epitelial de revestimento? Compartilhe!