Estômago dos ruminantes – Resumo – Digestão dos ruminantes

estômago-dos-ruminantes

Os ruminantes possuem uma característica de digestão muito peculiar. Nesse artigo você prenderá tudo sobre o estômago dos ruminantes em um resumo completo.

Digestão dos ruminantes

O alimento é muito pouco mastigado pelo animal, e chega quase inteiro até o rúmen. Uma vez ali, é fermentado através da ação de bactérias que digerem a celulose ingerida pelo animal. Esse processo basicamente serve para que o organismo possa absorver a energia necessária para realizar suas funções.

Em seguida, o alimento segue até o retículo onde, através das glândulas salivares ali existentes, terá novamente a celulose digerida. Através da saliva ali contida, o alimento retorna à boca do animal para ser novamente mastigada. No retículo, existem pregas cuja função é atuar na retenção de corpos estranhos.

Após ser novamente mastigado, o alimento é novamente ingerido, mas dessa vez é encaminhado ao folhoso, para que possa ser realizado o processo de absorção de água e sais minerais através das papilas que ali existem.

A próxima etapa da digestão dos ruminantes é o direcionamento do alimento para  o coagulador, onde o alimento sofre a ação de enzimas digestivas, em um processo já semelhante ao dos seres humanos.

Em seguida, a pasta obtida segue para o intestino delgado, de onde serão absorvidos os nutrientes, através das vilosidades intestinais. Logo após, segue para o intestino grosso, que se encarrega de absorver a água através de microrganismos que ali existem, completando o processo de digestão dos ruminantes.

Estômago dos ruminantes

Como dito anteriormente, o estômago dos ruminantes é dividido em 4 segmentos. A seguir, aprenderemos mais sobre os mesmos.

A pança ou rumen

O primeiro e o maior dos compartimentos do estômago dos ruminantes, é onde vão parar os alimentos, que são engolidos de modo muito rápido e sumariamente mastigados. Neste compartimento reina uma temperatura que favorece uma intensa proliferação de bactérias e infusórios.

Não assimilável pelo estômago da maior parte dos mamíferos, a celulose – um dos principais constituintes dos vegetais – é dissociada na pança pelas bactérias e infusórios que, por sua vez, são digeridos pelo ruminante, ao qual fornecem uma porção de proteínas e vitaminas.

O barrete ou retículo

Segue-se à pança. E um compartimento menor do estômago dos ruminantes. A mucosa de sua parede interna apresenta numerosas dobras que formam uma rede poligonal. Os alimentos, depois de sofrerem uma primeira fase digestiva no barrete, são devolvidos sob a forma de bolas à boca, de onde, depois de mastigados pelos molares e impregnados de saliva, são encaminhados ao folhoso.

O folhoso ou omaso

É o terceiro compartimento do estômago dos ruminantes. Possui uma parede intenta estriada por numerosas dobras longitudinais que fazem lembrar as páginas de um livro. O papel deste compartimento é o de absorver a água do bolo alimentar.

O coagulador ou abomaso

É o quarto e último compartimento do estômago dos ruminantes, desemboca no intestino. Tem forma alongada e sua mucosa apresenta igualmente dobras longitudinais, só que menos numerosas que as do folhoso. Seu papel no estômago dos ruminantes é o de secretar o suco gástrico. E daí que vem seu nome, pois era corrente, outrora, a utilização de um pedaço deste compartimento para coagular o leite no fabrico de queijos.

Gostou resumo? Compartilhe!